Sobre Kobrin


Warning: include(social.php): failed to open stream: No such file or directory in /home/lomakez/domains/ikobrin.ru/public_html/pt/bnr.php on line 95

Warning: include(social.php): failed to open stream: No such file or directory in /home/lomakez/domains/ikobrin.ru/public_html/pt/bnr.php on line 95

Warning: include(): Failed opening 'social.php' for inclusion (include_path='.:/usr/local/php55/lib/php') in /home/lomakez/domains/ikobrin.ru/public_html/pt/bnr.php on line 95

  A república de pessoas de Belarusian
A república das pessoas Belarusian (Belarusian Belarusky Respubl_ka Nacional), BNR — a educação política proclamou no dia 25 de março de 1918 o 3o Diploma Autorizado de Rada Vsebelorussky do Congresso (1872 delegados) em condições difíceis e incertas da ocupação alemã e voo de representantes de Comunistas de Minsk. Existido durante a Primeira guerra mundial (1918) no território da Bielorrússia, e depois dele — em emigração. Os historiadores discutem em se é possível chamar BNR o estado ou só foi a tentativa da criação do estado.
A declaração de BNR foi a primeira experiência da criação em Belarusian o território étnico do estado em um sinal étnico. A ocupação pelo império alemão nas condições da Primeira guerra mundial de uma parte considerável de Belarusian o território étnico criou pré-requisitos ao fato que este passo político do grupo dos ativistas de Belarusian se tornou a tentativa de uma institucionalização de Belarusian ethnos na forma do independente do estado russo. Anualmente no dia 25 de março na Bielorrússia as férias — o Dia de Volya dedicou à declaração de BNR no dia 25 de março de 1918 é sem formalidades celebrado.

Contexto
Em julho de 1917 o Governo provisório na Rússia começou a guerra aberta com Conselhos. "Diarchy" parou, os Comunistas passaram à clandestinidade. Em consequência de uma revolução de outubro no dia 25 de outubro (no dia 7 de novembro), 1917 poder foi agarrado com Comunistas. O comitê executivo Regional da área Ocidental e frente (Obliskomzap) tornou-se o órgão supremo do poder soviético na Bielorrússia.
Ao mesmo tempo, desde julho de 1917 na Bielorrússia Belarusian as forças nacionais que no momento da iniciativa do volume de socialista de Belarusian mantiveram o II congresso de Belarusian organizações nacionais e tomaram a decisão de tentar obter a autonomia da Bielorrússia como uma parte da Rússia republicana democrática ficaram mais ativas. Em um congresso Rada Central que depois de outubro de 1917 foi transformado a Great Belarusian Rada (GBR) foi criado. VBR não reconheceu o poder de Obliskomzap que considerou o corpo exclusivamente dianteiro e apoiou a transferência livre da terra a camponeses. Em dezembro de 1917 pela ordem de Obliskomzap o congresso de Vsebelorussky foi dispersado.
Entretanto, alguma parte da população das terras de Belarusian não desejou a autonomia da Rússia que as figuras do movimento nacional explicaram com "a escuridade", "más maneiras" e "irracionalidade" das pessoas de Belarusian.
No dia 9 de dezembro de 1917 entre a paz de Alemanha e Rússia soviética as conversações começaram. Como o representante da Rússia soviética Lev Trotsky não esteve pronto para combinar com as enormes exigências territoriais alemãs, a ordem alemã começou (no dia 18 de fevereiro de 1918) a aproximação. Os alemães rapidamente aproximaram Gomel e Minsk. Nestas circunstâncias Obliskomzap e Council de Comissários de pessoas da área Ocidental ligeira funcionaram a Smolensk.
No dia 21 de fevereiro de 1918 o Comitê executivo do congresso de Vsebelorussky dirigiu as pessoas da Bielorrússia com o diploma Autorizado no qual se anunciou o poder temporário no território da Bielorrússia. Antes de abrir-se da assembleia constituinte de Vsebelorussky de função do novo poder foram destinados à secretaria Nacional criada pelo Comitê executivo que chefe foi um de líderes de Belarusian Socialist Bulk (BSB) eu. Voronko.
No dia 3 de março de 1918 entre a Rússia soviética e a Alemanha a paz de Brest na qual a mentira de terras sobre o Oeste da linha Dvinsk — Pruzhana, pertencendo antes da Rússia, foram transferidos para a Alemanha e Austria-Hungria que foram autorizados a decidir o futuro destas terras foi feita. Levou ao crescimento em Belarusian o movimento nacional de aspirações à independência.

No dia 9 de março de 1918 o Comitê executivo aceitou o segundo diploma Autorizado no qual anunciou a Bielorrússia a república das pessoas — BNR. O comitê executivo foi renomeado em Rada por BNR que Presidência foi encabeçada pelo representante de Ivan Sereda BSG, Semyon Kryvets foi nomeado o secretário da Presidência. Rada de BNR foi proclamado pela legislatura antes da convocação da Assembleia constituinte.
A declaração no dia 25 de março de 1918 em 8 de manhã no edifício da terra de País conta com Serpukhovskoy Street (atualmente — Volodarsk, 9), em Minsk, Rada Belorusskoy da república das pessoas aceitou o Terceiro diploma Autorizado no qual a independência da república foi declarada:
Pela língua oficial foi Belarusian anunciado e a capital — Minsk. O território de BNR segundo o diploma Autorizado incluiu a província de Mogilev e partes Minsk, Grodno (inclusive Bialystok), Vilensky, Vitebsk, províncias de Smolensk, que é territórios a maioria do qual da população foi feita por Belarusians (exceto Smolensk).

Reconhecimento de independência
BNR não ganhou o reconhecimento internacional. Em algumas fontes é reclamado que a independência de BNR foi reconhecida pela Armênia, a Austria, a Geórgia, a Letônia, a Lituânia, a Polônia, a Turquia, a Ucrânia, a Finlândia, a Tchecoslováquia, a Estônia, a Rússia soviética, contudo não é documentado. As representações estrangeiras (as missões) do BNR trabalharam em vários estados, mas não tinham posição diplomática oficial.

Secretaria nacional da república das pessoas Belarusian. De da esquerda à direita:A. Burbis, eu. Sereda, eu. Voronko, V. Zakharko senta-se; há A. Smolich, P. Krechevsky, K. Ezavitov, A. Ovsyanik, L. Zayats.

A cooperação de BNR com a república das pessoas ucranianas foi o muito próximo. Entre BNR e UNR lá foi uma troca de consulados, em Kiev a câmara de Belarusian do comércio esteve aberta. UNR proveu ao auxílio financeiro BNR. Contudo BNR não ganhou o reconhecimento oficial nem de Rada Central de UNR, nem de getmanat de Skoropadsky. Também lá foi não resolvido uma pergunta da fronteira por causa da posição controvertida de Polesia.
BNR não tinha sinais principais do estado: não tinha soberania sobre o território (ocupado por alemães), constituições, maquinismo de execução, monopólio de taxação e uso da violência. Não houve autoridades locais, sistema judicial. Neste sentido muitas vezes observa-se bastante que BNR não conseguiu tornar-se o verdadeiro estado durante o período curto da existência. Ao mesmo tempo em BNR houve um instituto de nacionalidade, um Selo estatal e simbólica, um sistema de educação, as batidas de pé foram publicadas. As bordas de territórios aos quais se supôs que estendesse a soberania de BNR foram declaradas, as tentativas da criação de forças armadas foram feitas. BNR que declarou a independência da Bielorrússia é contente, foi escolhido no Primeiro congresso Vsebelorussky no qual 1872 delegados — representantes várias correntes políticas e os grupos sociais de todo o território etnográfico do país participaram o que permite falar da existência de autoridade legítima e vontade nacional. No entanto, observa-se que a ideia da criação do estado independente com base na soberania étnica não adquiriu o suporte de toda a população das terras de Belarusian.
Os comunistas declararam que a criação de BNR — a tentativa de círculos de proprietário de terras e burguês de arrancar a Bielorrússia da Rússia. BNR e a Alemanha como a criação da república contradisseram o mundo de Brest não reconheceu. Contudo a administração alemã não mexeu na atividade de Rada que enviou a Kaiser o telegrama onde agradecido ele para a liberação da Bielorrússia e pediu a ajuda na fortificação da sua independência estatal na união com o império alemão. Este telegrama causou uma crise política aguda em BNR como não todos os membros de Rada de BNR apoiado assim cooperação densa com a Alemanha.

Depois de primeira guerra mundial
Depois da derrota da Alemanha em Primeira guerra mundial e assinação do acordo de paz de acordo com o qual a Alemanha foi obrigada a desembaraçar tropas de territórios ocupados o governo soviético denunciou o mundo de Brest e dirigiu tropas aos territórios libertados. No dia 10 de dezembro de 1918 as tropas alemãs deixaram Minsk, em um tipo de aproximação das tropas soviéticas, membros de Rada de BNR na segunda metade do dezembro de 1918 movido para até o resto sob o controle alemão de Grodno. Em primeiro de janeiro de 1919 em Smolensk o Socialista soviético a república Bielorrússia foi proclamada, no dia 8 de janeiro de 1919 o governo de SSRB movido de Smolensk para Minsk que já foi ocupado sem a luta de Comunistas pelo Exército vermelho até lá. Ao meio de fevereiro de 1919. O poder soviético foi estabelecido quase em todo o território da Bielorrússia moderna (exceto Grodno que, depois da retirada das tropas alemãs, passou no dia 10 de abril de 1919 sob o controle polonês).
As figuras de Rada voltaram a Minsk em agosto — setembro de 1919 durante a guerra soviética-polonesa depois que os poloneses de exército entraram na cidade. Quando em setembro a Minsk lá chegou Józef Pilsudsky, a ele deram as boas-vindas todos os partidos de Belarusian, exceto Comunistas. Mas posteriormente em Belarusian círculos nacionais a atitude negativa aos líderes poloneses começou a desenvolver-se. Em dezembro de 1919 houve divisão de Rada BNR em Verkhovna Rada e Rada Nacional. Verkhovna Rada abaixo da liderança de Anton Lutskevich foi guiada pela cooperação com as autoridades polonesas e procurada as formas da implementação da situação de Estado de Belarusian com base na federação com a Polônia. Lutskevich considerou que na união com a Polônia Belarusians só não pode guardar a soberania, mas também comprar terras no Leste, até Smolensk. Contudo o governo polonês ignorou propostas dos políticos de Belarusian. Rada à sua vez Nacional abaixo da liderança de Václav Lastovsky protestou contra "a política de colonizador" da Polônia e os aliados consideraram as repúblicas Bálticas. Ambos são contentes à competição feroz introduzida de BNR entre eles, comprovando o direito exclusivo à representação da Bielorrússia na cena internacional. Depois da retirada de poloneses de Minsk em julho de 1920 Verkhovna Rada de BNR mudou-se para a Polônia. A maioria de sustentadores de Rada Nacional mudaram-se para Kaunas.
Em outubro de 1920 o general polonês Lyutsian Zheligovsky levantou uma amotinação contra a transferência de Vilno para a Lituânia, ocupou a cidade e malhou lituanos daí. A Liga das Nações recusou reconhecer ações de Zheligovsky legais. Supôs-se que a posição de Vilenshchina será definida durante o plebiscito. Depois disto o governo da Lituânia começou a procurar suportes entre a população de Belarusian de territórios discutidos, e o contrato confidencial entre Tariboy do governo e lituano de Lastovsky no reconhecimento mútuo e cooperação foi assinado no dia 11 de novembro de 1920. Os lituanos prometeram fornecer o auxílio financeiro ao governo de BNR e as organizações de Belarusian nacionais de Vilenshchina e Grodnenshchina. Rada nacional BNR prometeu o suporte de Lituânia da população de Belarusian durante o plebiscito e aceitou usar pelo governo da Lituânia das formações de forças armadas de Belarusian. Também chegaram ao acordo que etnicamente os territórios de Belarusian de Vilenshchina e Grodnenshchina receberão a posição da autonomia e estarão na estrutura do estado lituano com base na federação. No contrato nada foi dito da Bielorrússia do Leste. Depois o membro de Rada de Alexander Tsvikevich BNR lembrou-se: "O governo lituano decidiu usar-nos para a luta contra a Polônia de Vilno, e decidimos usar "a base lituana" para a luta pela independência da Bielorrússia".
Ao mesmo tempo o governo polonês na luta por Vilno usou Verkhovna Rada "polonofilsky" de BNR que por aquele momento já praticamente parou a atividade. A sua carta na qual se disse que "a população de Belarusian não divide um desejo de Kaunas" foi um argumento da delegação polonesa nas negociações polonesas-lituanas em Bruxelas em abril de 1921. Contudo como isso as negociações foram ineficazes, a Liga das Nações pareceu não resolver o conflito em forças, e o plebiscito não se realizou. No dia 24 de março de 1922 o Sejm polonês ratificou a decisão sobre a admissão de Vilenshchina na estrutura da Polônia. Depois disto os líderes lituanos perderam o interesse na cooperação com Rada de BNR e recusaram financiar a sua atividade. Em novembro de 1923 os membros do governo de BNR deixaram Kaunas e mudaram-se para Praga.
Em novembro-dezembro de 1920 os Revolucionários Sociais Belarusian encabeçaram a revolta de Slutsk abaixo de frases de propaganda da restauração de BNR embora Rada de BNR não tivesse relação a ele.
As figuras de BNR repetidamente tentavam chamar atenção da comunidade mundial "à pergunta de Belarusian" em várias conferências de após-guerra, contudo estas tentativas foram mal sucedidas. Os poderes principais do mundo não consideraram até a possibilidade de conceder a autonomia a Belarusians. Na conferência Parisiense os diplomatas franceses francamente declararam a Anton Lutskevich: "Se tinha embora um terreno onde seriam proprietários, a questão do reconhecimento internacional da independência fosse resolvido positivamente e lhe dariam a ajuda".

Símbolos de BNR e os presidentes de Rada de BNR
A bandeira branca vermelha branca e o casaco de braços "Perseguição" foram os símbolos do BNR. Também houve um hino da república das pessoas Belarusian.
Desde o dia 5 de janeiro de 1919 Rada e o governo de BNR estão no exílio.
 

 

Os presidentes de Rada foram:
Ivan Sereda (Belarusian Jan Serada) (1918 — 1919)
Pyotr Krechevsky (Belarusian Pyotra Kreche¸sk і) (1919 — 1928)
Vasily Zakharka (Belarusian Vas_l Zakharka) (1928 — 1943)
Nikolay Abramchik (Belarusian M_kola Abramchyk) (1944 — 1970)
Vinzent Zhuk-Grischkewitsch (Belarusian V_ntsent Zhuk-Gryshkev_ch) (1970 — 1982)
Iosif Sazhich (Belarusian Yazep Sazhych) (1982 — 1997)
Ivonka Survilla (Belarusian _vonka de Surv_l) (desde 1997)

A atividade de Rada BNR em emigração
1924 foi marcado pelo fato que as administrações do governo de SSRB, RSFSR e a URSS tomaram a decisão sobre o regresso de uma parte dos seus territórios à Bielorrússia. Estes eventos fortaleceram os humores pró-soviéticos na Bielorrússia Ocidental e entre emigrantes. Na Segunda conferência Belarusian em Berlim em outubro de 1925 alguns membros de Rada de BNR conduzido por Alexander Tsvikevich delegaram os poderes para o governo de BSSR e reconheceram Minsk como o único centro cultural e político pelo qual o movimento de Belarusian fora tem de ser guiado. Outra parte de administrações de BNR condenou este ato como "a infidelidade da independência da Bielorrússia" e continuou a atividade em Praga.
A atividade da emigração de Belarusian foi levantada com subir ao poder na Alemanha de socialistas nacionais. O terceiro presidente de Vasily Zakharka BNR em 1939 escreveu o relatório detalhado sobre a situação política, econômica e cultural da Bielorrússia, e também dirigiu com o memorando Hitler com garantias de suporte. Durante a guerra Zakharka permaneceu em Praga, e antes que a morte em 1943 delegasse poderes para Nikolay Abramchik que editou o jornal de Ranitsa propagandizing a cooperação de Belarusians com alemães em Berlim neste tempo. A atividade de Rada foi retomada por Abramchik e os seus colegas em 1947.
Depois que a Segunda Guerra Mundial pelo concorrente "do governo de BNR no exílio" Belarusian central foi contente, criada por R. Ostrovsky em 1943 e continuando existindo na emigração. Diferentemente de BTsR quase inteiramente composto de colaboradores ativos "o governo de BNR" incluído como os antigos colaboradores (p. ex., eu. Ermachenko, eu. Sazhich, B. Rogulya), e aqueles que estiveram em guerra contra a Alemanha hitlerista (V. Zhuk-Grishkevich).
É conhecido da cooperação de após-guerra de Rada de BNR com CIA. Durante a detenção em 1953 do agente de CIA Ivan Filistovich abandonado na Bielorrússia, nele o certificado do representante "do governo" de BNR assinado por Abramchik foi revelado. O antigo demandante federal dos EUA John Loftus no livro "Segredo de Belarusian" afirma que os criminosos de guerra de Belarusian foram alistados pelas agências de inteligência americanas e são tomados secretamente fora aos EUA no embaimento das leis americanas da atividade antisoviética posterior.
Até o início dos 90os anos Rada de BNR com a residência em Nova Iorque compôs-se aproximadamente de 200 pessoas de todo o mundo inclusive da Bielorrússia, mas a maioria deles viveram nos EUA. Segundo a carta o presidente ou o presidente de Rada são "o representante mais alto de Rada de BNR e as pessoas de Belarusian" que Rada elege para o termo de 6 anos.
A emigração não reconheceu BSSR e a sua borda. Um de caminhos possíveis do regresso das terras de Belarusian que foram uma parte de RSFSR (Smolensk, partes das regiões de Pskov e Bryansk), emigração considerou o conflito militar inevitável entre a URSS e o Oeste em consequência do qual o sistema comunista será destruído. Em apelações às potências ocidentais e a ONU Rada BNR pediu criar a comissão da ONU na investigação "da política colonial da União Soviética na Bielorrússia", inclusive "a representação falsa" de interesses da Bielorrússia na delegação da ONU de BSSR.
Depois da declaração de independência da Bielorrússia Rada de BNR cuidadosamente compreendeu modificações no país, sem ter afirmado a relação oficial à Declaração sobre a soberania estatal e a adoção da nova simbólica estatal embora lutasse por tal sucessão de eventos na emigração. Diferentemente de governos no exílio da Ucrânia, os países dos Bálticos, a Polônia que reconheceu os novos governos nos países pós-soviéticos e pós-socialistas e os delegou os poderes a Bielorrússia permanece o único país da Europa Oriental que tem o "governo no exílio".

Navegação





Os nossos parceiros